Street Fighter de Rodoviária, o Game que Dominava os botecos do Brasil!

Na década de 90, o Brasil foi palco de uma verdadeira revolução nos botecos e rodoviárias com a chegada de uma versão não oficial de Street Fighter 2, apelidada carinhosamente de Street Fighter de Rodoviária. Este jogo, uma cópia modificada do original lançado pela Capcom, tornou-se um fenômeno entre os aficionados por videogames que frequentavam esses espaços populares.

O Surgimento do Street Fighter de Rodoviária

Street Fighter 2 original já havia estabelecido um novo padrão para os jogos de luta, com sua jogabilidade inovadora e gráficos impressionantes. No entanto, foi a versão de rodoviária que realmente popularizou o jogo no Brasil. Esta versão era uma cópia pirata que incluía modificações como movimentos mais fáceis de executar e a possibilidade de selecionar os mesmos personagens em lutas versus, algo que não era permitido na versão oficial.

street-fighter-2-destrua-o-carro

A Popularidade nos Botecos

Nos botecos e rodoviárias, onde as fichas eram mais baratas e o acesso aos jogos era mais democrático, Street Fighter de Rodoviária se tornou um grande sucesso. Era comum ver filas de jogadores esperando sua vez para desafiar o campeão atual, em batalhas que muitas vezes reuniam uma plateia animada. O jogo se tornou não apenas uma forma de entretenimento, mas um verdadeiro evento social.

O Street Fighter de Rodoviária teve um impacto significativo no cenário dos jogos de luta. Apesar de ser uma versão pirata, ajudou a solidificar ainda mais a franquia Street Fighter como um ícone cultural no Brasil. Além disso, influenciou a maneira como os jogos eram percebidos e consumidos em espaços públicos, transformando-os em uma parte integral da cultura pop brasileira dos anos 90.

Leia mais:

Este jogo é um lembrete nostálgico de uma era onde a jogabilidade simples e a diversão coletiva eram os elementos mais valorizados nos videogames. Ainda hoje, Street Fighter de Rodoviária é lembrado com carinho por muitos que cresceram desafiando amigos e desconhecidos, gastando o troco do pão em incontáveis tardes e noites de emoção e competição.